O Pirata

Passou-se o que eu vou contar, numa Terça-feira. Tenho a certeza disso porque era o meu dia de folga, o meu dia de descanso.
Logo pela manhã, bem cedo, comecei a ouvir alguém a assobiar. Era um assobio diferente dos habituais, intercalado com um berro ininteligível que me soava a qualquer coisa que terminava em  “ata”.  Primeiro pensei que fosse alguém na brincadeira, mas à medida que o tempo ía passando, percebi que devia ser algum maluquinho que subia a rua até ao final e a voltava a descer sempre a assobiar e a berrar. Os berros e assobios, por isso mesmo, afastavam-se para logo se aproximarem, sem pausas! Comecei a ficar cada vez mais irritada. Vim várias vezes à janela para tentar perceber quem o fazia, mas só no final da manhã consegui vislumbrar quem o fazia. Era um homem que mancava e com muito mau aspecto.
Quando saí de casa, para ir ao Supermercado, fi-lo a pensar em abordá-lo para lhe pedir que parasse com a assobiadeira e berraria, pois estava a ser incómodo.
Por casualidade, mal saio da porta do meu prédio, dou de caras com ele e pude ver-lhe a expressão que não tinha conseguido ver do andar de cima pela janela: e fiquei impressionada… o homem tinha um olhar desvairado, assustado mesmo. O assobio dele era aflitivo e a palavra que ele berrava a seguir era “Pirata”!
Deslocava-se tão depressa quanto a sua perna defeituosa lho permitia. E de imediato percebi que ele não estava sozinho, pois havia pessoas que se movimentavam à volta dele e o tentavam ajudar. Mas ele parecia que não via nem ouvia ninguém, continuava desesperadamente a assobiar e a chamar “Pirata!”
Alguém me explicou que ele era um sem-abrigo e o “Pirata”, um cão,  era o companheiro inseparável dele e tinha desaparecido.
E lá continuava ele na sua correria toda desnivelada, pela rua acima e pela rua abaixo, ao mesmo tempo que assobiava e gritava pelo “Pirata”.
Dava pena ver a aflição dele, fiquei com vontade de procurar o cão dele, mesmo sem fazer a mais pequena ideia de como era parecido o “Pirata”
Mas… felicidade: o “Pirata” apareceu, bem seguro pela coleira, por alguém que o encontrou, já quase lá para as Fontaínhas!
E o até aí aflito dono do “Pirata” transformou-se num homem feliz e choramingão, pois não parou de chorar, por um bom pedaço de tempo, enquanto abraçava o seu “Pirata” e se deixava lamber por ele, que gania ao mesmo tempo, de tão contente que estava também pelo reencontro.
Esta cena pregou-me ao chão, comoveu-me. Senti remorsos de ter pensado em ralhar com o homem. Só conseguia pensar que não prestei a devida atenção à aflição de alguém. Não deixei que a minha intuição tentasse perceber que alguma coisa de mal se passava. E a verdade é que desde o início me apercebi que aquilo que estava a ouvir não era nem normal nem habitual.
Depois desse dia, fiquei a tomar conta da cadela do meu irmão Pedro por uma semana. Nos passeios que fazia com ela várias vezes por dia, particularmente no da manhã, encontrava sempre esse tal homem e o “Pirata”. Dormem ou no jardim ou na paragem de autocarros do Largo dos Lóios. Como é natural, os dois, os de quatro patas, foram ficando amigos nesses encontros matinais. Fui também falando, de vez em quando, pois o homem é de poucas palavras, com o dono. Só fala do seu amigo “Pirata”, de como ele é fiel, como ele é seu amigo, do que ele mais gosta de comer e de como se sente seguro a dormir com o “Pirata” a zelar pela sua segurança.

Tirei-lhe uma fotografia, sem ele perceber, pois estava a dormir. Gostava que reparassem no excelente espírito de humor que este homem ainda tem… basta estarem atentos a alguns pormenores…

Foi, para mim, uma boa lição!

3 thoughts on “O Pirata

  1. Ana Vilarinho

    Trabalho neste mesmo Largo.

    Largo dos Lóios, o nome deste senhor é Pedro, mais conhecido por Pirata.
    O seu maior amigo, de quatro patas, é o Rex.

    Se vissem o amor que têm um pelo outro.

    Como o Pedro diz, não é dono mas é pai deste seu filho diferente, mas tudo o que ele poderia pedir.

    Gostar

    1. Olá Ana. Agora já sei que é ele, o homem, que se chama Pirata. Não sabia do seu nome verdadeiro. No dia em que aconteceu o que eu descrevi, alguém me deu essas informações, erradas. Decidi não alterar o meu texto, as “primeiras impressões” são muitíssimo importantes para mim, e além disso, vou publicar em breve um artigo sobre a história do Pirata mais complexo.
      Devemos já nos ter cruzado com certeza… Muito obrigada pelo seu comentário!

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s