A pescaria

Fui pescada. Nunca o tinha sido, há sempre uma primeira vez para tudo. Ainda por cima fui pescada em “Segunda mão”, nem sequer fui a primeira escolha, tive um peixe à minha frente!

Hoje de manhã, continuando com os meus passeios matinais na Marginal do Douro pelo passadiço de Gaia, cruzei-me, como todos os dias o faço, com um dos muitos grupos de Pescadores à linha.
Vi um desses pescadores a tirar da água um grande peixe, um belíssimo Robalo que rabejava sem parar a tentar livrar-se do anzol.
“-Que belo peixe!” – disse eu ao passar.
E na mais improvável das improváveis possibilidades, nesse preciso momento o peixe conseguiu soltar-se do anzol que se veio cravar na minha perna direita quando eu já ia um ou dois metros à frente. Senti-o logo, ao mesmo tempo que, sem querer, dei mais um passo e sem perceber o que estava acontecer, acabei por o enterrar ainda mais na minha perna. Parei e o pescador, o Sr. Francisco, veio muito aflito ter comigo, tentou tirar o anzol mas verificamos que o fio de pesca se tinha solto e não se via nada do metal para se conseguir, eventualmente (tradução: se eu deixasse…) tirar o anzol. Ele – o anzol -enterrou-se por completo desaparecendo da superfície da barriga da minha perna! E aquilo doía, bastava mexer-me um pouco. Não conseguia andar. Juntaram-se uma meia-dúzia de pescadores e como já o ditado diz, cada cabeça sua sentença. Um deles chegou mesmo a aproximar-se muito perigosamente da minha perna, de canivete em riste, mas eu protegi de imediato o meu “património” declarando que não queria que ele me “operasse” ali assim, que lhe agradecia muito mas preferia que não o fizesse!
Entretanto, enquanto esperava que me viessem buscar, tive que consolar o Sr. Francisco que estava numa aflição só:
-” Meu Deus! E a mim que todos me chamam de “Francisco o Chato”, por estar sempre a dizer-lhes que têm que ter muito cuidado ao lançar a linha, para não magoarem ninguém que vá a passar! Havia logo de me acontecer a mim… a Senhora desculpe, eu nunca imaginei que isto pudesse acontecer!”
-“Oh, Sr. Francisco, não se aflija… podia acontecer a qualquer um! E se alguém tivesse culpa aqui era o peixe, não o Senhor!”
Acabei por ir tirar o raio do anzol ao Santo António.
Fui muito bem atendida, tiveram que me fazer um Raio X para verem em que posição estava o dito. Antibiótico, analgésico e anestesia local, iam-me dando tudo isso enquanto passava de mãos em mãos. O meu nome passou a ser a “Senhora do Anzol”:
-“Ah, a Senhora é que é a do anzol, dizia uma enfermeira.”
-“Tens aqui a Senhora do anzol para fazer um Raio X…”
-” A Senhora do anzol, deseja chá, um café, umas bolachas?”
E o Dr. Miguel, o Cirurgião que me “esgravatou dolorosamente” a perna para sacar cá para fora o anzol ainda me perguntou enquanto o fazia:
-“Sabe que me está a vir à memória a música do anzol? Lembra-se dessa música?”
-“Musica do anzol? Não me lembro… como era?”
E o Dr. Miguel começa a cantarolar assim:

“… Eu não sei, se hei-de fugir
Ou morder o anzol…
Já não há nada de novo
Debaixo do sol….
Debaixo do sol!”

-“Ah! Agora lembro-me, Rádio Macau, o Anzol!”

Ainda dizem que o nosso SNSaúde não funciona bem… é que o Dr. Miguel não cantava nada mal!

Final feliz para mim e final infeliz para o peixe…

Post S. 1 – não, o Robalo não escapou: ao soltar-se do anzol não conseguiu voltar para o rio, ficou no passadiço…. to bad for him!
Post S. 2 – não, não pedi o Robalo ao Sr. Francisco à laia de indemnização… quase lhe ofereci eu um presente, para ele se animar um pouco com tamanha desdita!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s